Alexandra Ungern
HOME PORTFOLIOS
  CV-Portuguese   CV-English   LINKS
GUESTBOOK
Critics Text (Portuguese): Na Sombra de uma Origem

O desconhecido gera um desconforto no ser humano, afinal racionalizar é uma forma de domínio sobre o que está posto diante do homem. Antes da racionalização matemática sobre o mundo, do modelo de ciência aplicado na atualidade, o homem utilizava-se da retórica para apropriar-se de um ambiente hostil e indômito em seu entorno. Talvez a primeira forma de trazer luz ao desconhecido foi a criação mitológica. Ao trabalhar retoricamente um evento que extrapola o fator humano, o homem criou certo conforto psicológico para seguir sua atuação cotidiana buscando sua subsistência.

O processo civilizatório no ocidente está associado ao escrutino do mundo até sua partícula fundamental. Em outras palavras, disseca-se o que está posto no mundo para melhor compreender os organismos em seus processos interiores e exteriores. Este método, comprovadamente eficaz, entretanto não deixa espaço para divagações maiores sobre os temas. Quando líderes tribais procuram explicar o mundo pela alegoria mitológica, sistematizam também a atuação do homem. Com seu movimento narrativo, autores discorrem sobre questões sociais e morais a partir de manifestações da natureza.

A exposição Na sombra de uma origem da artista plástica Alexandra Ungern-Sternberg faz o movimento inverso proposto pelo modelo cientifico contemporâneo. Com suas fotografias a artista propõe um retorno à integridade entre os eventos naturais e as interpretações que somos capazes de promover sobre eles.

Ao transferir o mito da língua falada para uma linguagem formal puramente visual, Alexandra reitera o quão evanescentes são as formas e sua eterna transformação dentro de uma narrativa. Este procedimento sutil invoca o pensamento de que estas imagens estão mais presentes nos olhos de quem vê do que nas sombras que procuram recontar o mito. Talvez por isso a fotografia Kanansiuê (2008) está ampliada, reiterando com suas dimensões a composição abstrata desta imagem que de alguma maneira (por que não?) mágica consegue ganhar a forma da natureza.

 

 

Paulo Gallina

Critico convidado

© Alexandra Ungern.  FolioLink © Kodexio ™ 2019
Share: